Embrapa Gado de Corte
Ademir Hugo Zimmer

Ademir Hugo Zimmer

Chefia Adjunta de Pesquisa e Desenvolvimento

Enviar e-Mail de Contato Cartão de Visita

http://lattes.cnpq.br/0536153877252826

Embrapa Gado de Corte

Palavras-chave

Agricultura, Bovino de corte, Bovinocultura, Brachiaria, Capim-piatã, Cobertura vegetal, Cobertura vegetal,disponibilidade de matéria seca,, Disponibilidade de Matéria seca, Efeito Estufa, Integração Lavoura-Pecuária, Meio Ambiente, Milho, Numero de Plantas, Panicum, Pastagens, Produção animal, Produção de forragem, Sementes, Sistemas de Produção, Sorgo de corte ou pastejo, cobertura do solo, consorciação, culturas, leguminosas, rebrotação e sustentabilidade

Comitês e Comissões

CSU

Comitê de Suporte da Unidade Descentralizada

Com Lucia Gatto e Pedro Paulo Pires.

Projetos

TROPMIX

Utilização de pastos multigramíneas visando à redução da estacionalidade da produção forrageira

2016-2019

Com Alexandre Romeiro de Araujo, Jaqueline Rosemeire Verzignassi, Manuel Claudio Motta Macedo, Rodrigo Amorim Barbosa e Valeria Pacheco Batista Euclides.

SISCERRADO

Componentes bióticos e abióticos e suas interações em Sistemas Integrados (iLP e iLPF) na região do Cerrado e áreas de abrangência

2014-2017

Com Alexandre Romeiro de Araujo, Andre Dominghetti Ferreira, Celso Dornelas Fernandes, Fabricia Zimermann Vilela Torres, Manuel Claudio Motta Macedo e Roberto Giolo de Almeida.

As áreas agrícolas do bioma Cerrado são responsáveis por boa parte da produção agropecuária do Brasil. Nessa região, apesar dos avanços tecnológicos, ainda são comumente verificadas situações de acentuada degradação das pastagens e de manejo inadequado do solo sob lavouras, o que tem resultado baixos índices de produtividade na pecuária e frequentes frustrações de safras de grãos com a ocorrência de veranicos. Uma das formas que vem sendo preconizada para enfrentar esta situação, consiste na adoção do Sistema Plantio Direto e na utilização de sistemas integrados (SIs) de produção, como a Integração lavoura-pecuária (iLP) e a integração lavoura-pecuária-floresta (iLPF). Mesmo com a geração de novos conhecimentos e tecnologias para a viabilização do sistemas ILP e ILPF, alguns aspectos ainda não estão suficientemente esclarecidos como os componentes bióticos e abióticos e suas interações. Tais efeitos, uma vez quantificados podem resultar em novas recomendações técnicas com ganhos econômicos e ambientais. Desta forma, visando a verificação da hipótese de que os sistemas integrados de produção (SILPs e SILPFs) são mais eficientes e sustentáveis do que os sistemas tradicionais com monocultivo e os não integrados, está sendo realizado este projeto. São parceiros da Embrapa Agropecuária Oeste na execução deste trabalho, a Embrapa Agrossilvipastoril, Embrapa Cerrados, Embrapa Milho e Sorgo, Embrapa Gado de Corte e Embrapa Soja.

ESTILO_TROPICAL

Melhoramento genético de Stylosanthes para a sustentabilidade de pastagens tropicais

2011-2015

Com Celso Dornelas Fernandes, Jaqueline Rosemeire Verzignassi, Lucimara Chiari, Marta Pereira da Silva, Rosangela Maria Simeao Resende e Sergio Raposo de Medeiros.

GEODEGRADE

Desenvolvimento de Geotecnologias para Identificação e Monitoramento de Níveis de Degradação em Pastagens

2011-2014

Com Manuel Claudio Motta Macedo.

Dados do Censo Agropecuário de 2006 indicam que a área de pastagem cultivada no Brasil corresponde a cerca de 106 milhões de hectares. Devido à pecuária brasileira ser desenvolvida predominantemente em pastagens, a sua degradação pode representar prejuízos econômicos e ambientais para o setor. O processo de degradação de pastagens é um fenômeno complexo, que envolve causas e consequências que levam à gradativa diminuição da capacidade de suporte da pastagem. Seja para adequar-se às novas regras ambientais do mercado internacional e nacional, seja para liberar área para agricultura ou, ainda, para aumentar a lucratividade do setor, a recuperação das áreas degradadas deve ser prioridade no setor pecuário. Elaborado com base nas demandas de desenvolvimento tecnológico para o uso sustentável de áreas degradadas, este projeto busca desenvolver métodos de identificação e mapeamento de processo de degradação das pastagens. Com isso, será possível disponibilizar ferramentas de gestão que resultem no aproveitamento de áreas degradadas para o desenvolvimento de sistemas produtivos, na exploração sustentável da produção agropecuária e na redução no desmatamento. A utilização de geotecnologias e geoinformação por parte de empresas e órgãos, públicos ou privados, têm crescido consideravelmente para dimensionar, de forma ampla e eficiente, a magnitude do problema e subsidiar as políticas públicas nas tomadas de decisões sobre a recuperação, o manejo e o uso dessas terras. Entre os objetivos do projeto está o desenvolvimento de geotecnologias para a identificação e o monitoramento de níveis de degradação em pastagens dos biomas Amazônia, Cerrado e Mata Atlântica; a padronização, organização e integração dos diferentes tipos de dados obtidos e gerados pelo projeto em uma base única de informações; a identificação de níveis de degradação de pastagens a partir de imagens de sensores remotos multiespectrais; a identificação de aspectos biofísicos relativos aos níveis de degradação de pastagens; e a obtenção de indicadores espacialmente explícitos de degradação de áreas sob pastagens baseados na integração e em cruzamentos geoespaciais entre os planos de informações gerados e os diferentes níveis de degradação observados em campo. Como resultado, será produzido um livro técnico-científico e um macrozoneamento, documento sintético reunindo mapas temáticos e textos explicativos mostrando a dinâmica espacial da pecuária bovina no Brasil e destacando nos três biomas do projeto as principais características relacionadas aos processos de degradação das pastagens. É esperada também a elaboração de um Sistema de Informação Geográfica (SIG). Mais informações, acesse: http://www.geodegrade.cnpm.embrapa.br

SALSA

Cadeias de alimentos com valor agregado através do conhecimento: ferramentas inovadoras para monitoramento ético, ambiental e dos impactos socioeconômicos para implementação de estratégias compartilhadas entre UE e América Latina

2011-2014

Com Camilo Carromeu, Davi Jose Bungenstab, Guilherme Cunha Malafaia, Paulo Henrique Nogueira Biscola e Rodrigo da Costa Gomes.

MAEE

Monitoramento do ambiente externo da Embrapa: uma proposta de sistematização de metodologia e instrumentos

2010-2012

Com Edson Espindola Cardoso.

Este projeto tem como objetivo propor direcionamentos técnicos e metodológicos para a implantação e sistematização do processo de monitoramento do ambiente externo da Embrapa, de modo a obter informações que possam orientar e apoiar a revisão/atualização das estratégias da Empresa, assim como a execução dos processos de planejamento e programação. Em termos metodológicos deverão ser utilizados técnicas como Foresight, Delphi, painéis, roadmap, benchmarking. É importante ressaltar, que este é um projeto de natureza corporativa, cujos produtos: (i) Manual técnico sobre instrumentos e métodos de monitoramento do ambiente externo; (ii) Mapeamento de melhores práticas em monitoramento do ambiente externo; (iii) Proposta de procedimentos para sistematizar a prática de monitoramento do ambiente externo na Embrapa (corporativo) e nas UDs; (iv) Informações qualificadas e atualizadas sobre temas, tendências e incertezas relacionadas ao futuro da agricultura; (v) Banco de dados de especialistas), visam apoiar a Embrapa e as Unidades Descentralizadas em ações relacionadas à atualização de cenários e revisão dos Planos Diretores. Contudo, as informações geradas também serão úteis para outros agentes do SNPA.

TS

SELETIVIDADE DE HERBICIDAS EM ÁREAS DE PRODUÇÃO DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS TROPICAIS

2009-2011

Com Jaqueline Rosemeire Verzignassi.

Formação Acadêmica

Doutorado em Zootecnia

Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

1992-1999

Mestrado em Fitotecnia

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

1975-1978

Graduação em Agronomia

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

1971-1974

Idiomas

Inglês

Compreende razoavelmente, fala razoavelmente, lê bem e escreve razoavelmente.

Espanhol

Compreende bem, fala razoavelmente, lê razoavelmente e escreve pouco.

Alemão

Compreende razoavelmente, fala razoavelmente, lê pouco e escreve pouco.

Última atualização em 23-02-2016 10:52:56.

Powered by Pandora from PLEASE Lab.